Assistência Directa

Assistência Directa

Assistência Directa

 

A assistência é não só clínica, mas também social e cultural. Cultural no sentido de devolver à Pessoa as suas raízes. Vai implementar saúde, bem-estar, autonomia, identidade, capacidades, integração e participação social dos doentes. Inclui-se o apoio à Família e Cuidadores, o apoio e formação do Voluntariado, a promoção de mudança de procedimentos. Centram-se as práticas de intervenção na Pessoa e na compreensão do seu funcionamento mental, das suas necessidades e desejos, melhorando a autonomia e o estado do doente e diminuindo a sobrecarga familiar e dos cuidadores. 

 A assistência é não só clínica, mas também social e cultural. Cultural no sentido de devolver à Pessoa as suas raízes. Vai implementar saúde, bem-estar, autonomia, identidade, capacidades, integração e participação social dos doentes. Inclui-se o apoio à Família e Cuidadores, o apoio e formação do Voluntariado, a promoção de mudança de procedimentos. Centram-se as práticas de intervenção na Pessoa e na compreensão do seu funcionamento mental, das suas necessidades e desejos, melhorando a autonomia e o estado do doente e diminuindo a sobrecarga familiar e dos cuidadores. 

 


Oficinas terapêuticas

Oficinas terapêuticas

 

Oficinas Terapêuticas são pequenas unidades de intervenção terapêutica, ligadas preferencialmente aos Cuidados de Saúde Primários e que desenvolvem programas para Pessoas com a Doença de Alzheimer ou doenças relacionadas. 

 

Terapias com uso de mediadores

Terapias com uso de mediadores

 

Neste percurso terapêutico usamos várias técnicas em que obtemos resultados terapêuticos através de propostas de trabalho onde os doentes desempenham incumbências com objectivos previamente delineados e que atendem à Pessoa que eram, à sua doença e ao estado da mesma.
 

Neste percurso terapêutico usamos várias técnicas em que obtemos resultados terapêuticos através de propostas de trabalho onde os doentes desempenham incumbências com objectivos previamente delineados e que atendem à Pessoa que eram, à sua doença e ao estado da mesma.

 

 

Treino de participação activa

Treino de participação activa

 

A promoção de uma forma de participação activa na vida familiar e comunitária é um dos objectivos das nossas intervenções. As Pessoas de mais idade habituam-se a resignar-se, vivem com medo e limitam-se nos seus direitos de participação social. Um doente de Alzheimer ainda mais marginalizado está, pois traz consigo o estigma da doença em que perde as capacidades mentais. Mas é aceitável permitir que Pessoas que ainda merecem ser ouvidas deixem de ter palavra? Com o treino de participação activa incentivamos a participação social e a reivindicação assertiva, demonstrando para todos quais são os benefícios sociais de ter a inclusão destas Pessoas. Com este fim usamos várias técnicas, que também têm benefícios nos desempenhos cognitivos. 

Com o treino de participação activa incentivamos a participação social e a reivindicação assertiva, demonstrando para todos quais são os benefícios sociais de ter a inclusão de Pessoas idosas. A promoção de uma forma de participação activa na vida familiar e comunitária é um dos objectivos das nossa intervenção.


Intervenção intergeracional

Intervenção intergeracional

 

As relações intergeracionais são a substância de construção de uma Memória Colectiva. Sem transmissão intergeracional a pobreza social e cultural instala-se com perda de sentido de vida, não só para uma cada vez maior população envelhecida mas, para todos de todas as gerações.


Intervenções familiares

Intervenções familiares

A família é o suporte dos doentes de Alzheimer, mas também pode ser fonte de desajustes que podem por si agravar o estado do doente. A intervenção junto da família tem, assim, duas vertentes a pedagógica e a intervenção terapêutica.